Interconexões valoriza cineastas negras

I Encontro de Cineastas e Produtoras Negras destaca o protagonismo das mulheres

Guilherme Alves/DEX 
23/08/2017

Com objetivo de fortalecer a produção audiovisual negra e premiar produtoras e cineastas, começou nesta segunda (21) o I Encontro de Cineastas e Produtoras Negras, parte da programação do Interconexões, evento em parceria da Universidade de Brasília com a Fundação Cultural Palmares (FCP).

A mesa de abertura contou com a presença de Erivaldo Oliveira, presidente da FCP, Iracilda Pimentel, Diretora de Desenvolvimento Regional e Integração Social do Decanato de Extensão (DDIR/DEX), Edileuza Penha de Souza, professora da UnB, João Batista da Silva, da Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultural (SAV/MinC), Viviane Ferreira, cineasta e presidente da Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro e Carolina Costa, da Agência Nacional de Cinema (Ancine).

A professora Iracilda Pimentel destacou a importância de discutir a presença feminina e negra no cinema, por ser um meio ainda muito machista. “Uma mostra de mulheres negras fazendo cinema é um marco”, diz.

Para Erivaldo Oliveira, combater o racismo em todas suas faces passa por divulgar a cultura negra: “Temos que formar mais diretores, roteiristas, temos que empoderar nosso povo. Precisamos levar para escolas a cultura afro-brasileira”.

João Batista da Silva ressaltou a relevância do edital afirmativo do Ministério da Cultura que permitiu a realização de alguns dos filmes exibidor na Mostra Competitiva. “Estamos criando novos editais enfatizando tanto a questão de gênero quanto racial porque entendemos que a política do audiovisual precisa envolver o empoderamento, para que se construa uma sociedade mais igualitária. Queremos que essa política afirmativa seja constante”, afirma.

As participantes da I Mostra Competitiva de Cinema Negro “Adélia Sampaio”, Viviane Ferreira e Flora Egécia, também participaram do debate após a exibição do filme “Alma no Olho”, de Zózimo Bulbul.

Viviane destacou a forma política como o cineasta, considerado o pai do cinema negro, utilizou a ferramenta cinematográfica em filme que trata da subjetividade negra. “Existe um sentimento de ansiedade de contar nossas próprias histórias. Esse momento protagonizado por mulheres negras é um aprimoramento desse processo”, diz. Flora condenou a pequena presença negra em festivais. “Temos que fazer nossa própria mídia, nossa própria mostra. Estar nesse mercado é muito difícil para nós”, criticou.


ATENÇÃO: O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.

Fonte: site DEX